Dominado pelo valentão da escola

Um conto erótico de Novinho Niel
Categoria: Homossexual
Data: 14/10/2019 19:22:11
Última revisão: 28/10/2019 16:29:29
Nota 10.00

OBS: Apresenta fetiches diversos como, podolatria, dominação, bdsm, spanking e outros.

1. Não se trata de um conto, se trata de uma história dividida em capítulos.

2. Se você não pretende dar continuidade não inicie a leitura.

3. Meu papel como escritor não é fazer apologia a qualquer crime ou qualquer outro evento não legalizado, apenas relatar uma realidade existente do nosso país.

4. Cada capítulo terá no mínimo a inserção de um conto erótico gay.

5. As histórias relatam fetiches diversificados e não irão se prender aos clichês do Brasil.

6. Todo tipo de crítica e muito bem vinda nos comentários.

7. Peço apenas que mantenham a mente aberta para o conteúdo que será apresentado.

8. Se você me conhece e sabe que essa história realmente aconteceu, por favor, mantenha o sigilo.

9. Preciso receber o feedback para saber se devo ou não continuar e se a história está se desencaminhando da forma correta.

10. Boa leitura.

Eu tinha acabado de me mudar para Uberlândia em Minas Gerais.

Eu tinha quatorze anos, era 22 de junho de 2009. O inverno tinha acabado de começar e fazia um frio congelante na cidade.

Era o meu primeiro dia de aula da oitava série, meu último ano antes do ensino médio e como havia tido greve no começo do ano, não teríamos férias na escola.

Minhas roupas ainda não tinham sido despachadas pra cidade. Tudo que eu tinha para vestir era uma calça jeans, um tênis e a camiseta fina de uniforme azul da escola.

Eu acordei bem cedo e o frio parecia conseguir atravessar as paredes da casa.

Eu penteei o cabelo com aquele corte com a franja lisa que quase todos os meninos tinham por causa do ator de High School Musical e peguei minha mochila.

Assim que sai de casa, minha avó me deu uma blusa de lã feita a mão. A blusa com toda certeza era dela.

Ótimo, a única blusa que tenho pra usar é feminina, pensei, mas apenas agradeci e peguei o dinheiro do lanche.

Fui andando pela avenida onde a escola ficava.

Naquela altura eu não sabia se a cidade era pequena ou somente o bairro.

As escolas ficavam todas juntas na mesma avenida, no lado de cima a minha escola, no lado de baixo a escola dos alunos do pré-escolar e descendo mais um pouco a rua ficava a unidade de atendimento integrado, o UAI (hospital público do bairro).

Quando cheguei no portão da escola, tive certeza que tinha ido cedo demais. O portão ainda estava fechado, tinha apenas uma garota sentada no ponto de ônibus que ficava na avenida esperando o portão abrir.

Eu resolvi me sentar na calçada mesmo e mandar um sms para a minha mãe avisando que eu já tinha chegado.

Assim que eu mandei a mensagem, um menino magro com um penteado arrepiado que lembrava um moicano, usando uma blusa preta com listras vermelhas de zíper e um brinco preto redondo na orelha esquerda se aproximava com outro menino moreno com roupas bem parecidas logo atrás.

O menino de blusa vermelha ria como se debochasse de mim e o outro fazia o mesmo.

Eu guardei meu celular no bolso e fingi que não estava vendo nenhum dos dois, mas eles continuaram se aproximando.

_Olha Higor. – Disse o menino de blusa vermelha para seu amigo. – A gente ganhou um viadinho novo. – Completou ele.

Higor gargalhou e colocou a mão na barriga.

Eu me levantei e olhei bem para os dois antes de sair de perto deles.

_Ele é nervoso Yuri. – Disse Higor enquanto eu me afastava.

_Se tentar fugir da gente pode ser pior. – Gritou Yuri dando uma piscada para mim, mas sem sair do lugar.

Eu me sentei perto da menina que estava no ponto de ônibus.

_Toma cuidado com esses dois. – Disse ela sem olhar pra mim. – Principalmente com o Yuri. Eles são perigosos. – Completou.

_Você é da sala deles? – Perguntei observando mais alunos chegando.

_Da sala do Yuri sim. – Respondeu ela olhando pra mim. – Ele não me deixa em paz. – Ela me olhou bem e fez uma careta.

_Qual o problema? – Perguntei.

_Acho que você deveria tirar essa blusa se não quiser problemas nessa escola. Talvez seja melhor você sentir frio do que apanhar dos outros alunos. – Disse ela.

_Eles costumam bater nos novatos? – Perguntei espantado.

_Não só nos novatos e não só bater. – Disse ela parecendo evitar terminar a frase.

Eu não sabia se eu queria saber o que ela quis dizer com não só bater. Eu já estava assustado o suficiente quando o portão abriu para que os alunos entrassem.

A garota se levantou e foi na direção contrária do portão antes que eu pudesse dizer qualquer coisa.

Eu caminhei lentamente em direção ao portão e observei Yuri e Higor tirando sarro da cara de outros alunos.

Entrei na escola e tirei a blusa que minha avó havia me dado.

Olhei para trás e vi Higor batendo no braço de Yuri para mostrar que eu tinha entrado.

Yuri riu com uma cara de malícia que me fez acelerar o passo sem olhar para trás.

Eu ainda tinha que procurar a minha sala e estava torcendo para os dois não me seguirem.

Eu tremia de frio e tentava não tremer de medo ao mesmo tempo.

Quando cheguei ao fim do primeiro bloco de salas dei de cara com Yuri e Higor bem na minha frente.

Eu senti minhas pernas tremendo e o ar ficou difícil de respirar.

Yuri colocou o braço em volta do meu pescoço e começou a me guiar pelo pátio da escola.

_Eu te disse que se fugisse ia ser pior. – Disse ele bem perto do meu ouvido com o hálito quente na minha orelha. Seus lábios chegavam a me tocar pela proximidade.

Meu corpo ficou arrepiado e eu senti um frio no estômago que não conseguia explicar.

Higor pegou um canivete dentro do bolso da blusa e encostou ele escondido na minha cintura. Eu podia sentir meu coração batendo na minha garganta.

_Se ficar pálido assim eu vou ter que te dar uns tapas nessa cara de puta pra te dar uma corzinha. – Disse Yuri.

Quando eu vi a primeira sala com uma mesa de escritório e uma mulher de pé bem ao fundo. Eu engoli o ar que tentava respirar e me contorci para sair de perto dos dois.

Quase dando um pulo eu entrei na sala e bati na porta sem olhar para trás.

A mulher de blazer vermelho olhou para mim enquanto verificava alguns papéis.

_Só um minuto, eu já te atendo. – Disse ela.

Minhas mãos estavam dormentes e provavelmente eu havia batido na porta com muita força.

Eu olhei para trás saindo de perto da porta para que ninguém pudesse me puxar para fora.

_Você tá morto. – Disse Yuri olhando para mim enfurecido.

_Você já era viado. – Disse Higor fingindo passar o canivete no próprio pescoço.

Quando a mulher se aproximou eles saíram me olhando ainda mais enfurecidos.

_Posso te ajudar? - Perguntou a mulher loira de blazer vermelho.

Eu tentei respirar de novo, mas parecia estar tendo uma crise de asma.

_Po- pode, e-eu não sei onde é a- a minha sala. – Gaguejei até conseguir falar.

A mulher me olhou como se me examinasse.

_Qual o seu nome? – Perguntou ela.

_Meu nome é Daniel. – Respondi. – Eu vim do Rio de Janeiro, hoje é o meu primeiro dia.

_Ah sim, eu estava com a sua ficha agora mesmo. Só preciso confirmar. – Disse ela voltando para pegar os papéis que tinha deixado em cima da mesa.

_Aqui está. Daniel você está no nono E. É a última sala do último bloco, não tem como errar. – Disse ela forçando um sorriso.

_Obrigado. – Respondi saindo da sala.

Eu não estava vendo Yuri e Higor em lugar algum, mas isso me dava ainda mais medo já que eles conheciam a escola e eu não. Eles poderiam facilmente cortar caminho pelos blocos para me encontrar de novo.

O sinal tocou e os alunos entravam apressados nas salas.

Pude ver Higor entrando na primeira sala do último bloco e fiquei feliz por ele não me ver e por aquela não ser a minha sala.

Eu caminhei mais tranquilo até a última sala depois disso.

A sala estava cheia e todos me olharam de maneira estranha. Eu era o único que não estava usando blusa e isso fazia com que eu tremesse de frio.

Eu comecei a procurar por uma mesa vazia para que eu pudesse me sentar.

Olhei por toda a sala e bem no meio tinha uma menina magra e alta de cabelo preto liso, com aparência de modelo.

Era a menina que havia falado comigo no ponto de ônibus.

Olhei mais uma vez até achar uma mesa vazia na segunda fileira quase no fundo.

Assim que dei o primeiro passo para entrar eu vi quem estava sentado bem na mesa ao lado.

Yuri olhou para mim sorrindo com malícia outra vez e eu perdi o ar.

Eu passei pela fileira de trás para chegar no meu lugar.

A professora ainda não tinha chegado na sala e eu já sabia que isso não ia acabar bem.

Eu coloquei a minha mochila no chão, quase que no meio do caminho para tentar impedir que Yuri se aproximasse.

Eu tremia sem parar de medo e de frio.

_Parece que ele vai morrer de frio. – Disse a menina morena alta sentada atrás de Yuri em tom de piada.

_Tá com frio vadia? – Perguntou Yuri se levantando e olhando para mim como se fosse me bater.

A garota atrás dele ria como se estivesse se divertindo muito e o restante dos alunos se dividia entre conversas e alguns outros poucos observavam a situação.

Eu não disse nada.

Yuri olhou pra minha mochila e pisou em cima dela para ficar parado bem ao meu lado quase encostado em mim.

Ele abaixou e se aproximou de mim outra vez.

_Deixa que eu te esquento. – Disse ele encostando os lábios na minha orelha de novo e soltando seu hálito quente em mim.

Minhas mãos estavam tremendo e eu estava desesperado para que a professora chegasse logo.

_As mãos dele. – Apontou a mesma garota rindo.

_Tá com as mãozinhas frias bebê? – Perguntou Yuri com ironia.

Ele aproximou o rosto do meu como se fosse me beijar e segurou meu braço com força colocando minha mão direita dentro da calça dele rapidamente e descendo pra dentro da cueca.

Minha mão encostou em algo macio e quente e meu estômago congelou.

Yuri me olhava com malícia e ria com a reação dos outros alunos que nos observavam.

Yuri respirava soltando o hálito quente no meu rosto e entre um segundo e outro me olhava como se estivesse furioso e ao mesmo tempo gostando da situação.

Meus dedos estavam encostados naquele saco quente e macio e as vezes parecia que o pau dele estava se mexendo dentro da cueca, ou talvez ele estivesse se mexendo.

Yuri se aproximou como se fosse me beijar de novo com aqueles lábios rosados e grossos, mas a mulher de blazer que havia falado comigo mais cedo apareceu na porta da sala.

Yuri se assustou e tirou minha mão de dentro da calça dele e se sentou tropeçando no seu lugar.

_Depois eu termino com você vadia. – Disse ele fazendo a garota sentada atrás dele chorar de tanto rir.

Eu podia ouvir meu coração e minha respiração era pesada, como se algo tampasse a entrada do ar.

Eu me virei lentamente para a mulher que estava na porta e ela entrou.

_Bom dia pessoal. A professora de vocês dos dois primeiros horários não pode vir hoje, então vocês vão ter que ir para a quadra com a outra turma que já está lá.

Vocês vão passar os três primeiros horários lá, já que o terceiro de vocês é educação física. – Disse ela fazendo com que os alunos comemorassem.

Estou perdido, pensei. Três horários com o Yuri fora da sala.

_Vamos. Eu vou acompanhar vocês até a quadra. – Disse a mulher.

Nós formamos uma espécie de fila desorganizada fora da sala. Como eu já esperava, Yuri ficou atrás de mim e tentava divertir os outros alunos fingindo que estava me encochando quando a mulher não estava olhando.

Em alguns momentos eu podia sentir o pacote dele encostando na minha bunda.

Ele soprava na minha nuca quando via os pelos arrepiados.

_Ele tá gostando. Já virou minha puta. – Disse ele para a menina morena alta.

Nós fomos para a quadra de areia onde os meninos jogavam futebol porque a quadra coberta estava ocupada pela outra sala.

Alguns meninos se organizavam para jogar.

Fiquei aliviado quando vi Yuri no meio deles.

Ele olhou para mim e viu que eu estava olhando para ele.

Yuri tirou a camisa e despendurou na calça.

A pele pálida dele quase brilhava com o pouco sol daquela manhã fria.

Ele era bem magro e ao mesmo tempo levemente definido.

Um tanquinho se formava no abdômen quando ele contraía os músculos.

Ele me olhava entre um momento e outro antes de começar a jogar com uma expressão que eu não conseguia decifrar.

_É melhor você não encarar ele. – Disse a menina do ponto de ônibus parada atrás de mim.

Eu me assustei, pois não tinha visto que ela estava ali.

_Você podia pedir pra tentarem te trocar de sala, mas você pode acabar indo parar na sala do Higor e o Yuri vai mandar ele fazer um inferno na sua vida. – Disse ela.

_Eu não sei o que fazer. – Respondi honestamente.

_O melhor a fazer nesse caso é ficar na sua. – Respondeu ela saindo em direção a outra quadra.

Um menino estranho se aproximou de mim como se imitasse um cavalo trotando.

_Oi novato, vem se sentar com a gente. – Disse ele.

Eu olhei atrás dele e havia uma pequena turma de pessoas sentadas no que parecia um dia ter sido um bebedouro construído em cimento com pequenos azulejos brancos agora todo velho e quebrado.

Apesar de o bebedouro sem bem de frente para a quadra onde o Yuri estava jogando, ele parecia estar concentrado no jogo.

_Obrigado. – Respondi resolvendo aceitar o convite.

_Eu sou o Lih, essa é a Ket, essa é a Iara, essa é a Pam e essa é a Lari. – Disse ele de forma amigável e exagerada.

_Meu nome é Daniel. – Disse.

_Oi Daniel. Disse a garota loira chamada Iara.

_Eu não gostei de ver você falando com a puta da sala. – Disse a garota morena de traças chamada Pam.

_A puta da sala? – Perguntei.

_É a Ana Paula, a garota com cara de modelo que estava falando com você. – Respondeu o Lih.

_Elas eram melhores amigas, mas brigaram por causa de um menino. – Disse Ket.

_Olha quem fala, você é apaixonada pelo Luiz até hoje. – Disse Pam para Ket.

Ket não negou, o que me fez pensar que era verdade.

_Quem é Luiz? – Perguntei.

_Aquele é o Luiz. – Respondeu Lih apontando para um menino jogando na quadra.

Luiz usava um relógio de plástico meio estranho, mas tirando isso com certeza ele era o menino mais bonito da sala. Ele tinha aquele sorriso branquinho, a boca vermelha e os olhos brilhantes que deixam qualquer pessoa apaixonada. A cereja do bolo era um topete perfeito que emoldurava o rosto dele com perfeição.

_Vocês namoraram ele? – Perguntei.

_As três ao mesmo tempo. – Respondeu Lih com um sorriso debochado.

_Pode rir Lih. – Disse Pam. – Eu quero mesmo é o amigo dele agora, o João tá ficando uma delicinha. – Completou ela.

_Credo vocês não pensam em outra coisa? – Perguntou Ket.

_Não é porque você é patricinha que tem que fingir que não quer dar pra eles. – Respondeu Pam fazendo todo mundo rir.

O tempo foi passando e no meio de tantas meninas e de outro menino obviamente gay, a cada dez conversas, nove eram sobre garotos.

Eu disfarçava para olhar o que o Yuri estava fazendo. O sinal entre os horários tocava e ele continuava jogando com o suor escorrendo e brilhando no seu corpo magro.

Os meninos jogavam muito mal e eram extremamente brutos e agressivos, cometiam uma falta atrás da outra e sempre se xingavam como se o jogo estivesse valendo alguma coisa.

Quando o terceiro horário estava quase acabando eu resolvi ir ao banheiro.

O banheiro da escola era assustador e vazio. Ele era dividido em duas partes enormes com várias portas individuais e alguns mictórios na parede.

Eu nunca usava os mictórios porque eu era muito tímido para ter qualquer contato com alguém, quem dirá no banheiro.

Quase todas as portas estavam estragadas. As fechaduras não funcionavam e você precisava travar as portas com o seu próprio corpo.

Eu respirei fundo e pensei em sair, mas eu já estava sozinho ali, ou melhor, não estava mais.

Alguém entrou no banheiro e eu podia ouvir o barulho das chuteiras batendo no chão.

Aparentemente era uma pessoa só.

Eu prendi a respiração e fiquei imóvel travando a porta com o meu corpo.

De repente ouvi um assovio como se a pessoa estivesse tentando disfarçar algo e ele foi e voltou por todo o banheiro até parar em frente da única porta fechada, a porta onde eu estava.

_A gente pode fazer isso de duas maneiras, da fácil ou da difícil. – Disse Yuri parado em frente a porta.

_Abre a porra da porta! – Gritou ele furioso.

Meu corpo tremeu e eu sai do lugar como reflexo, mas não de propósito e uma pequena fresta na porta se abriu.

Ele colocou a mão na fresta da porta e empurrou para abrir, mas eu me desequilibrei e fechei a porta nos dedos dele.

Eu ouvi um gemido de dor e um palavrão.

_Você vai pagar muito caro por isso sua vadia. – Disse ele chutando a porta e me fazendo cair contra a parede do fundo.

Yuri olhou para os dois lados e observou se ninguém estava ali antes de entrar.

Ele pegou um pedaço grande de papel higiênico e dobrou colocando na fresta da porta e empurrando para fechar.

Ele testou empurrando a porta e viu que o papel estava segurando ela muito bem.

Ele olhou para mim com fúria e desprezo. Eu estava caído ao lado do vaso tremendo de medo.

Ele olhou para a mão dele vermelha por causa da batida da porta e fechou o punho como se fosse me dar um soco na cara.

Eu fechei meus olhos e fiquei esperando pela dor, mas ao invés disso ele começou a falar.

_É o seguinte viado, a partir de hoje você vai fazer tudo que eu mandar ou eu vou te moer na porrada. Sacou? – Disse ele.

Eu olhei assustado sem saber o que ele pretendia.

_Eu perguntei se você sacou e quando eu fizer uma pergunta é melhor você responder se não quiser levar porrada na cara. – Disse ele parecendo estar com muito ódio.

Eu não consegui dizer nada, mas balancei a cabeça concordando.

_Ótimo sua puta. – Disse ele me dando dois tapas na cara e colocando um dos pés em cima do vaso tampado. – Agora usa a sua língua pra deixar a minha chuteira limpinha ou eu te quebro todo, falou? – Disse ele me puxando pelo cabelo e forçando meu rosto contra a chuteira dele.

Eu olhei para a chuteira meio suja de três horários jogando bola e olhei para ele.

_Eu não falo duas vezes, então se quiser sair daqui inteiro é melhor me obedecer depressa e não me deixar irritado. – Disse ele pressionando meu rosto com mais força contra a chuteira.

Eu abri a minha boca lentamente e passei a língua pela chuteira enquanto ele observava com um olhar sádico e furioso.

Ele não dizia nada, mas observava atentamente.

Eu sentia o gosto daquela chuteira suja por toda a minha boca e ele parecia estar satisfeito, já que não fazia mais ameaças nem reclamava de nada.

Yuri me puxou pelo cabelo de novo para me afastar da sua chuteira e me fez limpar uma depois da outra com a língua e começou a empurrar minha cabeça para que eu limpasse exatamente como ele queria.

Quando terminei de limpar as duas eu me levantei para sair com as minhas pernas falhando e ele fez uma careta de reprovação.

_Por acaso eu te mandei sair? – Perguntou ele me pegando com força pelo pescoço para me enforcar.

Apesar de ser magro ele conseguiu me levantar facilmente. Eu coloquei a minha mão sobre a dele para tentar fazê-lo parar.

_Não faz isso não porra! Quem manda aqui sou eu caralho. Se eu mandar você fazer você faz, se eu não mandar você fica aí viado nojento. – Disse ele.

_Se abaixa de novo que a gente tá só começando. - Disse ele me jogando no chão.

Eu caí no mesmo lugar e ele me olhou com desprezo novamente enquanto colocava a chuteira em cima da tampa do vaso para desamarra-la.

Yuri desamarrou a chuteira e tirou ela do pé. Colocou ela no meu rosto me obrigando cheirá-la.

_Esse aqui é o cheiro do seu macho. Se acostuma que você vai sentir muito ele agora. – Disse ele.

Eu respirava com aquela chuteira pressionando meu roso como se fosse uma máscara de respiração. Ela não cheirava mal. Tinha até um cheiro bem gostoso, era como se fosse um pé quentinho e levemente suado.

Eu senti meu pau ficando duro, mas fiquei com medo de que ele visse e fizesse algo.

Ele tirou a chuteira do meu rosto e bateu com ela na minha cara enquanto ria.

Yuri colocou seu pé descalço apenas com o meião e esfregou ele no meu rosto com força me empurrando contra a parede.

Meus olhos se fechavam com o impacto e ele ria e começava a pegar no pau que parecia estar ficando duro.

_Agora é a minha parte favorita, então não erra se não vai ser ruim pra você. – Disse ele enquanto tirou o meião, me fez cheirar e jogou ele no chão.

Yuri colocou aquele pé quente e suado no meu rosto, passou ele pela ponta do meu nariz e forçou os dedos dos pés contra os meus lábios me obrigando a abrir a boca.

Ele colocou o pé dentro da minha boca e procurava a minha língua com os dedos.

_Agora me faz uma massagem entre os dedos dos pés com a sua língua. – Disse ele parecendo estar bastante excitado.

Eu obedeci. Coloquei minha língua pra fora e passava ela deslizando entre os dedos dos pés dele.

Minha língua absorvia o gosto daquele pé e eu não podia negar que eu estava adorando.

Era uma delícia, aquele pé quentinho e suado com a minha língua passando por todos os lados e ele suspirando como se aquilo fosse um boquete.

_Tá vendo que você sabe ser uma cachorra obediente? – Disse ele. – Vem cá. – Sinalizou ele para que eu me levantasse.

Ele me puxou pelo cabelo outra vez e me obrigou a cheirar suas axilas suadas, me prendendo debaixo do seu braço.

_Já tinha sentido cheirão de macho assim? Cheira o suvacão do seu macho vai. – Dizia ele quase urrando.

Eu deixava meu nariz ser esfregado naquele “suvacão” delicioso e os pelos dele quase entravam nas minhas narinas.

As vezes meu nariz deslizava no suor das axilas e ele pegava cada vez mais no pau como se estivesse prestes a bater uma punheta por cima da calça.

Ele me puxou pelo cabelo de novo e me obrigou a lamber sua barriga e suas costas para limpar o suor do jogo de futebol.

Eu lambia aquele suor salgado e ele colocou a mão dentro da calça para se punhetar lentamente.

Ele estava ofegante e me olhava para ver o trabalho que eu fazia em seu corpo.

Ele me puxou com mais força e me olhou de cima a baixo me segurando violentamente pelos cabelos.

_Abre a sua boca que eu vou lubrificar ela pra você mamar o pau do seu macho. – Disse ele com cara de tesão e malícia.

Eu fechei meus olhos e abria a minha boca.

Sem nenhum aviso Yuri começou a cuspir dentro da minha boca. Aquele cuspe quente e doce enchia a minha boca e ele me puxava pelos cabelos com uma mão e me enforcava com a outra em volta do meu pescoço com bastante força dizendo para eu não engolir.

Quando a minha boca estava bem molhada ele me empurrou pra baixo e colocou aquele pau duro e macio ao mesmo tempo com uma enorme cabeça rosada igual aos lábios.

_Agora eu to mandando engolir tudo. – Disse ele.

Eu abocanhei aquele pau com gosto. Ele não estava suado como o resto do corpo. Tinha um gosto doce delicioso, era macio e escorregadio. Não tinha quase pelo nenhum ali.

Era uma delicia sentir aquele pau quente latejando na minha boca e ele enfiava o pau bem no fundo da minha garganta empurrando minha cabeça me obrigando a engolir tudo.

Ele fazia com que ele praticamente deslizasse pela minha garganta, mas de uma forma ao mesmo tempo bruta e cuidadosa.

Eu engasguei algumas poucas vezes e ele parecia adorar sentir o fundo da minha garganta com a cabeça daquela pica gorda pulsante deliciosa.

O pau dele começou a soltar um líquido ralo doce e eu mamava como se quisesse realmente engolir aquela pica.

Yuri fechou os olhos e colocou as mãos nas paredes do cubículo do banheiro.

Ele estava ofegante e urrando de prazer baixinho.

Eu senti os músculos dele se contraindo e ele empurrava a minha cabeça com mais força me fazendo sufocar e engasgar com o pau dele no fundo da minha garganta.

Ele tremeu as pernas e me apertou com força quando sem avisar jorrou porra quente na minha boca e na minha garganta.

O pau dele não parava de jorrar porra. Era doce, deliciosa, grossa e não parecia acabar mais.

Sem querer eu deixei um pouco cair da boca porque não cabia mais nada ali.

Ele olhou pra mim e me deu um tapão na cara.

_Toma todo o seu leite de macho. Se deixar cair de novo você vai apanhar muito. – Disse ele ainda sem fôlego.

Eu engoli aquela porra quente com dificuldade por causa da quantidade, mas era uma delícia.

Meu pau latejava dentro da cueca e ele parecia estar adorando me ver daquele jeito sem eu poder fazer nada.

_Agora eu vou ter dar mais uma coisa antes de ir embora. – Disse ele. – Abre a boca. – Ordenou como um macho alfa.

Yuri colocou o pau ainda meio sujo de porra dentro da minha boca de novo. Ele já estava amolecendo. Ele se concentrou e começou a mijar dentro da minha boca.

_É pra você ir bebendo enquanto eu vou mijando na sua boca, se não você já sabe. – Disse ele com cara de mandão e marrento.

Ele foi mijando e eu ia engolindo. O pau dele começou a endurecer de novo e eu chupei para ajudar o mijo quente a sair.

_Meu Deus! – Exclamou ele de prazer com os olhos fechando sem acreditar no que estava sentindo.

Eu estava mamando o pau dele de novo enquanto a urina dele saía lentamente e eu ia engolindo.

Yuri começou a gemer de novo e gozou outra vez dentro da minha boca.

Saiu uma mistura de urina meio salgada com a deliciosa porra quente e doce dele.

Ele chegou a babar de prazer.

Quando ele terminou, ele me puxou pelo cabelo de novo e me obrigou e lamber a baba dele no cantinho da boca com a ponta da minha língua.

Eu estava louco de tesão e passei a língua naqueles lábios rosados carnudos deliciosos e ele se irritou.

_Eu mandei você fazer isso? Agora eu vou ter que te punir. – Disse ele com cara de reprovação.

Ele me olhou bem e começou a me enforcar de novo bem violentamente enquanto se aproximava do meu rosto como se fosse decidir o que ia fazer.

Sem avisar ele mordeu meu lábio inferior com muita força até fazer um corte e começar a sangrar.

_Eu terminei com você por agora. – Disse ele. – Se eu ficar aqui vou gozar mais umas três vezes e daqui a pouco a gente tem aula. Você tá marcado e agora eu vou te usar todo dia, mas se você sonhar em contar isso pra alguém tá morto entendeu? – Disse ele em tom ameaçador com a sua cara de fúria.

_Entendi. – Respondi.

_Ótimo! – Disse ele vestindo a roupa e carregando suas chuteiras.

_Agora vê se limpa essa boca suja de sangue e finge que nada aconteceu. – Disse ele dando dois tapas na minha cara e olhando pela porta antes de sair.

Yuri saiu sem olhar para trás.

Eu peguei um pedaço de papel higiênico para parar o sangramento do meu lábio.

Luiz entrou no banheiro e olhou para mim.

_Tá tudo bem aí? – Perguntou ele meio desdenhoso, quase por educação.

_Sim. – Respondi afastando o papel da boca e deixando pingar sangue na minha camiseta de uniforme.

Luiz me olhou bem enquanto usava o mictório. Ele balançou o volume algumas vezes e se aproximou de mim sem lavar as mãos.

_Deixa eu ver isso aí. – Disse ele.

Eu ainda estava excitado pelo que havia acabado de acontecer e estava sem reação.

Ele se aproximou e tirou o papel e eu senti a mão dele molhada tocando meu lábio.

_Não é nada demais. Coloca um pouco de água fria que logo para. – Disse ele dando um soco leve no meu ombro todo desajeitado antes de sair do banheiro.

Eu me aproximei do espelho perto da torneira e examinei o pequeno corte, mas outra coisa me chamou atenção.

Tinha sêmen no canto da minha boca.

Merda, pensei.

CONTINUA CASO HAJA INTERESSE DOS LEITORES...

facebook.com/DanieldeeAlcantara

ATENÇÃO, como vocês me pediram muito, eu vou publicar novos contos no site.

Abaixo vocês podem ver as datas e os contos que serão postados:às 20:30 (quinta-feira): Dominado pelo valentão da escola especial de Halloween.

Será um capítulo único especial sobre um dos lugares em que reencontrei o Yuri depois de tudo o que aconteceu.

Nesse capítulo eu vou relatar algumas coisas que aconteceram, como o que Yuri está fazendo atualmente, outros dominadores que conheci e se nós ainda ficamos juntos as vezes. (Relato verdadeiro sem ficçãoàs 21:00 (sábado): Garotos de programa (conto gay) / Frequência = todo sábado.

Será um conto com uma história mais completa que irá misturar fatos que aconteceram de verdade antes dos meus dois contos aqui no site e no fim irá apresentar a origem da história de vida de um dos personagens do conto tráfico.

O conto se passará em uma casa onde jovens gays que se prostituem para sobreviver moram.

Esse conto apresentará diversos fetiches, violência, suspense, a história da vida de um dos meus vizinhos no prédio onde eu morava no RJ e alguns casos reais sobre pessoas que eu conheci e outras que apenas ouvi os relatosàs 21:30 (segunda-feira): Comido pelos garotos do judô (conto gay) / Frequência = segunda a sexta.

Este conto irá relatar o que aconteceu comigo na minha turma de judô em Uberlândia.

Esse conto irá tratar apenas da realidade como o conto "Dominado pelo valentão da escola" e os nomes novamente não serão alterados, apenas adiantarei algumas coisas para dar continuidade a história alterando a ordem cronológica de alguns fatos.

Alguns microcontos com relatos reais vividos por mim também serão postados aqui no site a qualquer momento.

Para maiores informações comentem suas perguntas aqui ou entrem em contato pelo meu email e ou facebook mencionados acima.

Obrigado.

Comentários

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.
28/10/2019 16:32:04
ATENÇÃO, como vocês me pediram muito, eu vou publicar novos contos no site. Abaixo vocês podem ver as datas e os contos que serão postados:às 20:30 (quinta-feira): Dominado pelo valentão da escola especial de Halloween. Será um capítulo único especial sobre um dos lugares em que reencontrei o Yuri depois de tudo o que aconteceu. Nesse capítulo eu vou relatar algumas coisas que aconteceram, como o que Yuri está fazendo atualmente, outros dominadores que conheci e se nós ainda ficamos juntos as vezes. (Relato verdadeiro sem ficçãoàs 21:00 (sábado): Garotos de programa (conto gay) / Frequência = todo sábado. Será um conto com uma história mais completa que irá misturar fatos que aconteceram de verdade antes dos meus dois contos aqui no site e no fim irá apresentar a origem da história de vida de um dos personagens do conto tráfico. O conto se passará em uma casa onde jovens gays que se prostituem para sobreviver moram. Esse conto apresentará diversos fetiches, violência, suspense, a história da vida de um dos meus vizinhos no prédio onde eu morava no RJ e alguns casos reais sobre pessoas que eu conheci e outras que apenas ouvi os relatosàs 21:30 (segunda-feira): Comido pelos garotos do judô (conto gay) / Frequência = segunda a sexta. Este conto irá relatar o que aconteceu comigo na minha turma de judô em Uberlândia. Esse conto irá tratar apenas da realidade como o conto "Dominado pelo valentão da escola" e os nomes novamente não serão alterados, apenas adiantarei algumas coisas para dar continuidade a história alterando a ordem cronológica de alguns fatos. Alguns microcontos com relatos reais vividos por mim também serão postados aqui no site a qualquer momento. Para maiores informações comentem suas perguntas aqui ou entrem em contato pelo meu email e ou facebook mencionados acima. Obrigado.
28/10/2019 10:25:14
Eu nunca achei um conto de dominação tão excitante quanto esse.
26/10/2019 16:59:18
nossa mdssss muito excitante
25/10/2019 21:49:27
esse conto seu conseguiu ser melhor que o primeiro. geralmente eu não comento os contos porque sou mulher e amo ler conto gay mas o seu superou minhas expectativas. você escreve no nível profissional e sua história é muito boa. Esvreve outros contos pra gente
25/10/2019 21:11:22
Daniel oque dizer do seu conto.. caramba cara eu nunca pensei que fosse gostar tanto de um conto erótico na minha vida. Eu entrei na mesma situação de outras pessoas que eu li os coments aqui eu tive que fazer um usuário só pra comentar seu conto. Mano que perfeição. Primeiro que tu tens um dom inegável pra escrever, eu concordo com cada um que disse que você deve virar escritor. Cara tu é dez. Vamo nessa. Seu conto me fez sentir tudo raiva medo tesão felicidade tristeza e cada vez que você postava foi ficando melhor e melhor. Eu nunca achei que ia comentar nenhum conto porque eu achava que contos eram só pra gozar e pronto mas eu tava errado. Mano que história foi essa e cara a hora que eu vi os carinhas aqui falando que tudo aconteceu mesmo e que tem gente que te conhece eu fiquei loucão. Seu conto é incrível e claro sua vida também já que você contou ela pra gente mas cara só de você conseguir ter contado desse jeito que prendeu todo mundo eu fiquei muito louco da minha vida, você é um escritor e ponto final. Valeu por contar sua história pra gente e meus parabéns cara. Seu conto foi um tesão do início ao fim.
25/10/2019 01:03:39
O último capítulo foi postado. Muito obrigado a todos que acompanharam a minha história e um obrigado especial aos que sempre comentam e me dizem o que estão achando. Nos vemos no próximo conto.
24/10/2019 21:22:54
Muito bom
24/10/2019 10:53:29
Olá Daniel, tive que me registrar no site só pra poder comentar seu conto. Você escreveu uma obra prima que poderia facilmente virar um livro. No começo sua história parecia despretensiosa e eu não imaginei que os desfechos estariam tão relacionados como você conseguiu deixar. Você deu significado a cada detalhe conforme os capítulos foram passando e eu confesso que achei alguns momentos muito cruéis e o Yuri parecia ser muito bruto mas você conseguiu transformar uma história tensa na melhor história que eu já vi. Sem exagero eu diria que você tem um dom para escritor que não deveria ignorar. Eu leio os contos do site a muito tempo mas o seu foi o único que me fez cadastrar e comentar. Quando vi as pessoas dizendo que a sua história é real e que as pessoas do conto existem e realmente passaram por isso eu fiquei ainda mais interessado em saber o que ia acontecer a cada capítulo. Seu conto merece a maior nota do site inteiro e você precisa pensar em investir em uma carreira de escritor. Ah te achei lindo de morrer,gostei que você não escreve no anonimato e coloca dos dados pra gente trocar ideia com você Parabéns você é muito talentoso e eu me apaixonei pela sua história e ficava preocupado com você a cada segundo. Quando vi sua foto de perfil eu entendi o que o Yuri sentiu por você. Lindo, talentoso e muito simpático,merece ser reconhecido pelo seu talento.
23/10/2019 23:52:01
eu to surtando eu descobri quem e o LIH ele confirmou tudo eu to surtando GENTE O CONTO E REAL
23/10/2019 23:35:50
O nono capítulo foi postado. Obrigado pelos comentários, por favor continuem me dando esse retorno.
22/10/2019 22:58:29
O oitavo capítulo foi postado. Obrigado pelos comentários, por favor continuem me dando esse retorno.
21/10/2019 21:37:32
O sétimo capítulo foi postado. Obrigado pelos comentários, por favor continuem me dando esse retorno.
20/10/2019 05:56:13
Nossa que incrivel, adoro historias que tem macho dominador e putinho submisso como acontece nessa historia, vou amar acompanhar essa saga, esse inicio de foda que o Yuri deu no Daniel ja foi delicioso,
19/10/2019 15:59:44
O sexto capítulo foi postado. Obrigado pelos comentários, por favor continuem me dando esse retorno.
19/10/2019 10:15:21
Eu fiquei excitado, mas se fosse comigo esse Yuri já estaria nos infas
18/10/2019 18:30:51
O quinto capítulo foi postado. Obrigado pelos comentários, por favor continuem me dando esse retorno.
18/10/2019 01:47:17
Maravilhosooo!!!
17/10/2019 17:23:21
O quarto capítulo foi postado. Obrigado pelos comentários, por favor continuem me dando esse retorno.
16/10/2019 16:03:34
O terceiro capítulo já está disponível. Contem pra mim o que vocês estão achando nos comentários. Obrigado.
16/10/2019 06:44:00
Gostei

Listas em que este conto está presente


Online porn video at mobile phone


conto erotico vizinha scatcontos eróticos vai negao goza na minha buceta quando eu chegar em casa mando aquele corno idiota limpacontos eróticos com pezinhos da tiasou amante do meu paiGalaxia no cacete todinho dentro da b***** da mulherconto erotico pego usando calcinhaquero vet mulher sofreno e gritsno na vara grande do negaoburaco da minhoca contos eroticos gayconto erotico pau pequenonovinha dando ciuminho pó dotadomulher com mulher tomando banho nua mostrando o bichão tabacãocasa dos contos tema scarxvideofudendo com toco da camabaixar vídeo pornô pai pega filha comendo o c* dela ela grita de dor pede que não iria estoque o c***** delaconto erotico gay vovo deu leite pro netinhosafadinha de short jeans agasalhou pau do negao na bocacontos eiroticos leilapornracudao rasgou a novinhahomem. de pênis grande comeu cracudacontos eroticos cavalo e novinha e.o vovovesti calcinha contos gayscristiane dado abusrtavídeo de menina perdendo a virgindade Nininha novinhacorpao cross friksconto erotico com crentedeu o cuzinho pela primeira vez e pede poe devagar porque ta doendoContos sexo bondage entiadasfotol.terra.com.br/danumonteiroxxx minina cumedo mininocrente safada contoscoroa grisalho boa pinta fudendo hdmorena de calcinha fiu se tocando visgando de tezaocontos de meninas muito novinhas dando a sua bucetinha para o seu tioConto erotico cavalguei na pica do meu subrinho enquanto ele dormiaconto erotico sendo ensinada por papaicrente contominha esposa deu pra outro eu chorei muitomulher correu de dentro do motel escrito com a mão na barriga com negão machucou o útero delaler contos eroticos menagesexo contos aiai ta doendo papai meu cuzinho tira nuencostei meu pau na bunda da minha irma ela ficou brava xvideominha cunhada casada muito linda e gostosa com uma bucetinha cabelinho baixinho novinha vai foder com outro homem quando sai do colégio pagando e ela geme muito no pau dele de baixo de zíper abertoContosmulherbebadavidepporno com quatriplo aos gritoContos com fotos velhos fudedores chupadoresporno mae gotosa madura sedente de amor ai pirocaosomenino gue gosta di pau grossoporque quando o homem vê uma mulher sexi ou raboda ou quando meti uma roupa curta o seu penis levantãocontos eiroticos leilaporncontos eroticos capataz pau grosso que comia eu e minha mae e minha irma na senzalaConto erotico o tarado do viagra tracou o valentãoporndoudo sua amiga deixo a toalha cair e começou o secoconto porno amor em londres guilherme e felipecasadoscontos tio gilson seminarista arrombando.o cu da deisy a forçaaulas particulares com.professor novinho contosgaysporno gratis moça sendo agarrada apód sair do banhoesposa trai o esposo na fantasia c mulato de 1:90pratico anal com meu cachorrofilme porno de irmao fudedo a irma depois ela tirou atoalha na frente deleVou contar do dia que fis minha esposa gosar quenem loucaxvideocomi minha amiga de deitadoprocuro. velho sadio amigo pauzidos gostoso so meua patricinha e o porteiro 4cantor erótico fui abusodo ate eu da gostosoprica cavalasexoirmá vai dormir con seu irmaocontus estupro de novinhascontoseroticos/comadre rabudawww.casadoscontosincestopaixvidio:fodanaconstrucaocontos eroticos minha namorada virgem e meu amigo pauzudofilmes de sexo so conegao do pao grosso e negona da buceta inchadacentinhas gosando rebolando na rola xvidios3negao rasgando 18 aninho por tras porno doidoconfesso que esse moreno é deliciosorapasinho bebo de cair leva no cu apuso estrupoaregasando a busetada tiaaí louca aquela fudida uuuicontos erótico meu padrasto me comeucontos eiroticos leilapornconto porno ordenhar tetasapateira e chupando a rola do outro comendo o c*contos de incestos entre tios 18 e sobrinhas 09