Putinha de cosplay no Anime Friends. Humilhada dentro e fora do evento

Um conto erótico de Claudia Japonesa
Categoria: Sadomasoquismo
Data: 02/10/2017 18:36:40
Nota 9.40

Oi novamente, meu nome é Claudia, sou neta de japoneses. Vou contar a história que me aconteceu no Anime Friends.

Na época eu contava com meus 18 anos. Eu japonesa, seios e bumbum pequenos, bem magrinha. Tinha deixado meu cabelo crescer para fazer a cantora digital Hatsune Miku (Ela é retratada como uma menina de 16 anos de idade, com duas longas maria-chiquinha na cor verde-marinho. - Pesquisem no Google).Tingi meus cabelos e sobrancelhas da cor verde-marinho.

Eu comprei ingresso para os 4 dias. Adoro esse tipo de evento. Adoro a atenção.

Lembro-me que fui de taxi. Chegando ao local, me troquei. Fiquei com uma saia minúscula, para ficar mais parecida com a personagem e chamar a atenção dos homens. Tinha gastado muito dinheiro para o cabelo e a roupa, mas estava perfeita.

Não me lembro de quantas vezes fui parada para tirar fotos. Teve um momento que achei que faria xixi no meio do local, pois não conseguia chegar ao banheiro.

Fiz muitas amizades. E estava curtindo muito a apresentação dos cosplays.

Chamou-me muita a atenção de um rapaz que estava vestido com o uniforme do jogo metal slug . Ele estava do personagem loiro de camiseta vermelha.

Teve som, barulho e uma miniatura de taque que deu um tiro. Muito irado.

Depois da apresentação fui ao encontro dele e disse:

- Cara, que apresentação. Muito boa. Adorei.

- Que nada, foi só efeito. Sua roupa que é da hora.

Ele falava isso olhando para minhas pernas.

Descobri que o nome dele era Caio, ele tinha 25 anos. Achei-o muito gato.

Fomos comer em um Mac perto do local. Papo vai, papo vem. Quando fui ver, já estávamos nos beijando e apertando no local.

Acho que se estivesse em um lugar mais discreto, tinha dado para ele no lá.

Depois que terminou o dia, combinamos de nos encontrar no segundo dia evento.

No outro dia fui com uma variação de roupa branca da personagem. Procurei Caio e ele estava com um amigo também com uniforme do jogo, mas era o de camisa amarela. Apresentou-se com o nome de Clovis, 26 anos.

Ambos vieram de Minas Gerais, estavam hospedados em uma casa a 40 minutos dali. Eles vieram da sua cidade de carro, uma viagem de mais de 6 horas. Coragem.

Ficamos conversando o três e tirando fotos. Continuei durante a parte da manhã beijando o Caio. Duas vezes os seguranças vieram dar uma bronca por causa dos nossos amassos, por isso fomos atrás de um dos galpões onde o acesso era proibido. Para não sermos pegos, Clovis ficou de vigia. Enquanto Caio me encostava na parede e começou a me beija. Beijou minha boca, pescoço, orelha. As mãos deles passeavam em meu corpo. Eu senti toda minha pele esquentar. Tentei me afastar um pouco, para não deixar o toque me enlouquecer, mas Caio pegava minha gravata e puxa ao encontre dele. Algumas vezes pensei que iria sufocar, mas me dava um tesão aquele jeito bruto.

Como estava de minissaia, ele começou a tentar passar a mão por baixo dela, no começo tentei segurar aquela mão, mas em dado momento ele enfiou a gravata dentro da minha boca e disse:

- Vamos brincar, sempre quis ter um momento gostoso com uma novinha japa. Deixa?

Aquele jeito de falar, me fez não cuspir a gravata, eu apenas fiquei quieta balançando a cabeça expressando sim.

Ele não teve dificuldade para desabotoar minha camisa. Enfiou a mão atrás das minhas costas e com maestria, soltou meu Sutiã Tomara Que Caia.

Meios seios pequenos saltaram. Enquanto ele chupava-os, sua mão começou a procurar minha calcinha. Ele começou a massagear por cima, deixando-me molhadinha.

Caio tinha uma mão e boca gostosa. Quando fui ver, minha calcinha estava caindo entre minhas pernas.

Eu o sentia massagear meu grelho enquanto chupava meus peitos. Minha respiração ficava cada vez mais ofegante, chamando a atenção de Clovis.

Clovis viu a cena e parou um tempo de vigiar. Ele olhava o jeito que eu estava sendo tocada. Meus seios de fora, minha calcinha no chão ao lado.

Eu não conseguia pedir para parar, continuei aceitando aquele momento em que eu estava sendo bulinada por um rapaz que mal conhecia e sendo vista pelo seu amigo.

Clovis massageava a calça, enquanto via a brincadeira.

Até que em dado momento ele se aproximou, tirou a gravata e começou a me beijar a boca.

Ele estava me beijando quando gozei a primeira vez na mão do Caio.

Eu dava espasmos fortes e rápido que foram aos poucos ficando mais esparsos e fracos.

Eu comecei a cair aos poucos no chão.

Como cai com as pernas abertas, Caio aproveitou para chupar minha bucetinha. Ele lambia os lábios e enfiava a língua na parte de dentro. Clóvis abriu a calça e pós o pau para fora. Aquela cabeça roxa de tanto dura me deixou mais excitada. Abocanhei-o todo sentindo as bolas baterem no meu queixo. Meus bicos do peito ficarão inchados e duros. Eu estava totalmente fora do controle.

Eu era tipo madame, mas agora estava sendo puta.

Quando fui ver, Caio-me pós de quatro, e começou a posicionar seu pau dentro da minha bucetinha. Enquanto ele me comia, voltei a receber o pau do Clóvis na minha boca. Caio socava com força, muita força a ponte de doer, eu não gritava apenas porque tinha um pau na boca.

Clovis começou a ficar cada vez mais louco, e segurando minhas maria chiquinhas, começou a forçar o vai e vem dentro da minha boca.

Quando ele foi gozar, ele puxava-as com tanta força, que pensei que iria arrancá-las. Ele gozou muito, segurando minha cabeça por pelo menos um minuto. Senti todo o caldo escorrendo para dentro da minha garganta.

Clovis foi sentar em um canto, enquanto Caio socava com mais força na minha bucetinha. Quando estava para gozar, ele me virou e puxou para perto dele e começou a gozar sobre meus peitos.

Sentir arder um pouco, pois de tanto serem chupados, o contato da porra quente doía.

Conforme foi passando a adrenalina, fui sentindo uma espécie de vergonha, misturada com confusão.

Tinha acabado de fazer sexo com dois rapazes que conhecia há menos de dois dias, na parte de trás de um galpão onde estava sendo feito um grande evento.

Peguei meu sutiã e usei para limpar a porra dos meus seios. Fechei os botões da blusa e fui procurar um banheiro.

Verifiquei que tinha apenas banheiro químico, mas mesmo assim entrei em um e peguei um espelhinho que tinha na bolsa.

Comecei a arrumar meu cabelo, realmente ele tinha sido muito judiado, também tive que secar com lenços de papel minha gravata. Estava arrependida de ter usado o sutiã para limpeza, pois meus seios ainda estavam bicudos e bem a vista sobre a camisa. Apesar da sujeira, procurei urinar ali, foi quando descobri que minha calcinha ainda estava na parte de trás do evento.

Eu não poderia voltar lá e encontrar os dois e também estava com medo de que qualquer vento pudesse mostrar a minha situação.

Fiquei um bom tempo no banheiro e depois sai para procurar um lugar isolado.

Reparei que muitos homens me olhavam, pois alguns repararam os meus bicos duros.

Sai do lugar e fui para o ponto de ônibus na Chico Pontes, onde chamei um taxi.

Fiquei um bom tempo sendo observada no ponto de ônibus, tentando esconder meus seios e evitar que o vento levantasse minha saia.

Chegando o taxi, entrei o mais rápido possível e pedi para dormir no banco de trás até chegar a minha casa.

No caminho, comecei a lembrar do que ocorreu, mas o estranho era a vergonhar e o corpo novamente esquentando. Teve um momento que reparei que minha saia curta acabou deixando de fora minha bucetinha.

Levantei e sentei normalmente. Senti na hora de pagar e olhar para o rosto do motorista, que ele estava feliz, com certeza aproveitou para ver muito a minha bucetinha no caminho.

Chegando em casa, fui tomar banho. Eu via as marcas vermelhas nos meus seios, pescoço e cintura. Estranhamento aquilo me deixou excitada e comecei a me tocar. Gozei lembrando me dos dois que me pegaram.

Fui dormir pensando e acordando pensando nos dois.

Quando acordei, decidi ir. Para variar, peguei uma roupa de estudante japonesa. Blusinha branca, gravatinha xadrez, saia preta com detalhes verdes, meias finas pretas e sapato da mesma cor.

Não sabia se teria coragem de ver novamente os dois, mas também tinha uma enorme vontade de ver osDecidi que deveria encarar a situação, afinal não era nenhuma criança.

Cheguei ao local, realmente estava muito cheio. As apresentações dos cantores internacionais, jogos, modelos e show dos cosplays estavam agitados.

Teve um momento que sentei para descansar, foi quando ouvi?

- Oi Claudinha, saudade.

Eram Caio e Clóvis.

Fiquei vermelha na hora, pois lembrava a situação de ontem, mas também não conseguia sair do local, sentiavontade de ficar perto de ambos.

- O que querem?

- Queremos brincar mais um pouco, passar um tempo todos juntos.

Ele falou isso com a boca encostada na minha orelha.

Minha respiração começou a ficar ofegante, meus seios começaram a inchar novamente.

Eles repararam que as palavras mexiam comigo.

Enquanto Caio falava bobagens ao meu ouvido, senti a mão de Clóvis na minha cocha.

Quando fui ver, estava andando de mãos dadas com os dois, beijando a boca de um e do outro no caminho.

Eu estava ficando sem controle, e sabia o que iria acontecer. Chegamos a uma parte onde tinha um muro, com um buraco que cabia um adulto e entramos. Eu via um prédio Que parecia uma fatia de pizza, com janelas e lateral azul.

Quando terminamos de passar, via a cabeça de mais um garoto pelo buraco.

Ele disse:

- Caras, o que vocês estão fazendo aqui?

- Vamos curtir um pouco Felipe, quer ir?

Olhei para eles com cara de assustada, que não entendia nada e Clóvis disse:

- Não se preocupa, é amigo nosso. O pai dele pediu para tomar conta dele.

Ele disse isso me empurrando e apalpando minha bundinha.

Eu não tinha controle, eu estava sobre controle deles.

Fomos para dentro de um galpão perto de uma construção menor.

- Claudinha, tira a rouba bem devagar, do jeito bem putinha para gente.

Atendi ao pedido do Clóvis.

Comecei primeiro tirando os meus sapatos, depois coloquei uma de minhas pernas apoiada em uma caixa, fazendo minha saia cair um pouco e comecei a tirar uma das meias, fiz o mesmo com a outra.

Descalça e sem meias fui para mais fundo do local, lá comecei a desabotoar minha blusinha, a deixando cair sobre um engradado.

Depois foi a vez da minha saia, que soltei, deixando cair sobre meus pés.

Eu estava apenas de roupa intima branca, com flores verdes e a gravatinha.

Fiquei de costas para eles e comecei a soltar o sutiã. Deixando-o cair em outra parte do lugar.

Eles me olhavam embasbacados. O moleque que estava na sua primeira visita a um evento estava com o queijo caído, ele olhava para mim e olhava para os amigos, puxando suas camisas e pedindo para olhar. Algo realmente inesperado para ele.

Comecei a andar e dar volta ao redor dos três. Eu sorria de uma forma muito safada. Estava com muito tesão.

Então parei e empinando minha bunda na frente do novinho, comecei a tirar a calcinha. Peguei a mesma e fui de encontro ao novinho.

Enfiei a calcinha toda na boca dele, fazendo com que tossisse e os amigos começassem a rir.

Então Caio falou para o moleque. Puxa ela pela gravata e leva como cachorro para o fundo do lugar.

Então Lá estava a cena. Eu nuazinha, de cabelos verdes, sendo puxada de quatro como uma cadela, por um menino que não tinha certeza se já estava com seus 14 anos.

Chegando ao fundo do lugar, fui cercada pelos três.

Comecei a sentir alguém abrindo minha bunda com as mãos, era Caio.

Ele começou a explorar minha bucetinha com o dedinho. Clovis aproveitou para massagear meu corpo.

Eu gemia baixinho, enquanto o garoto me encarava.

Quando eu estava para gozar, Clovis me puxou para gravata e mandou sentar no colo do menino, que finalmente descobri se chamar Sérgio.

- Putinha, ele é virgem de beijo, dá um jeito japa puta.

Ele tinha a idade do meu irmãozinho, mas não conseguia dizer não para eles.

Comecei a beijar com carinho, sentindo o lábio quente e trêmulo do Sérgio.

Depois comecei a brincar com a língua dentro da boca dele.

No começo ele parecia um boneco, pois se segurava com as duas mãos no caixote que estava sentado.

Quanto puxei as mãos dele de encontro aos meus seios, vi o rosto dele corar. Chegou a fazer menção de tirar, mas puxei-o mais forte para junto de mim.

Comecei a esfregar meus seios em seu rosto. Estava adorando fazer aquele virgem sofrer com algo que muitos adorariam estar passando.

Então o levantei. A cabeça dele batia na altura dos meus seios. Sabia que era pecado, muito errado, mas era algo muito saboroso.

Então soltei o sinto da calça do Sérgio. O membro era do porte médio, uns 12 cm. Comecei a fazer carinho nele. Estava quente, muito quente. Senti o corpo dele tremer, parecia que eu estava assustando um gato com um pedaço pau.

Conforme eu bolinava o garoto, ele ficava ofegante.

Não precisei muito para sentir o caldo dele escorrer em minhas mãos. Era jovem e inexperiente, ainda não sabia controlar aquele tesão.

Procurei uma torneira para limpar minhas mãos. O que não saia, aproveitei para chupar e engolir.

Agora era a vez dos dois.

Fiquei de joelho entre eles e comecei a revezar uma chupeta.

Enquanto chupava um, aproveitava para massagear o pau e apertar um pouco o saco do outro.

Depois de alguns minutos, começamos a brincar de dupla penetração.

Naquele tempo meu cuzinho ainda era apertadinho, com pouco uso. Era um tempo que não imaginava que me tornaria puta. Acreditava que casaria na igreja, pode?

Foi muito gostoso sentir o pau do Clóvis mexendo dentro da minha bucetinha enquanto o Caio tirava todas as pregas do meu cuzinho.

Às vezes Caio puxava minha gravata para trás, quase me enforcando, mas fazendo assim eu ir com minha bunda mais de encontro do pau.

Meus cabelos já estavam soltos nessa hora. Meu corpo estava cheio de terra e suor, mas com uma energia e vontade de dar.

Caio foi o primeiro a gozar, ele encheu minhas costas com sua porra quente.

Ele urrava, e apertava minha bunda, enfiando os dedos e as unhas na minha carne.

Senti-o limpar a porra do pau em minha bunda.

Clovis aproveitou a liberdade para acelerar o movimento.

Quando estava para gozar, ele me empurrou, fazendo cair de costas para o chão e de pé ele mirou o pau em mim e começou a gozar. A porra era tanta, que senti meu rosto, seios, barriga e até pernas com pelo menos algumas gostas.

Eu estava toda suja no chão. Estava tão cansada que cai no sono.

Não lembro quanto tempo dormi, mas quando acordei verifiquei que estava sozinha. Os rapazes tinham indo embora.

Fui procurar minhas roupas para me vestir, mas cadê elas. Não achava.

Eles deveriam ter levado.

Andei um pouco e fui ver o buraco. Ainda tinha movimento de pessoas.

Não sabia como pedir ajuda. Estava em uma situação difícil.

Então vi um papel com um recado.

Estava escrito:

- Putinha, estamos com suas roupas. Mais tarde iremos ai te buscar.

Quando chamarmos é necessário apenas fazer o que dissermos.

Quando foi uma 20:00 horas, apareceu Caio e Clóvis.

- Seus filhos da puta, cadê minhas roupas.

- Só precisa seguir a gente Claudinha.

- Não posso sair pelada, tem muita gente nesse evento.

- Estão todos assistindo as apresentações, é agora ou nunca.

- Quer que a gente convide alguém do evento para entrar? Se não sair em 5 segundos vou começar a gritar.

-1 ,2,3....

Então sem escolha, sair nua pelo buraco correndo. Fui olhar o movimento atrás de uma arvore e vi pelo menos a uns 30 menos uns 5 garotos. Escutei as risadas dos dois, quis voltar, mas não contava que os dois haviam trazido outros dois rapazes. Eles empurraram a parte que fazia parte antes do muro, o que evitaria que eu pudesse entrar. Tentei forçar a pedra, mas nada, apenas os garotos que sorriam poderiam fazer isso.

- Vai ali naquele prédio, foi lá que escondemos.

- Mas tem gente, não posso.

- Se não for até eu contar até 3, vamos chamar o grupo.

Eu precisava passar pelo lugar entre os prédios, mas sabia que seria vistas.

Os quatros ficaram me olhando, enquanto eu ficava atrás de uma arvore.

-Um, dois.

Então corri.

Para tentar não ser vista, eu precisava correr para junto de uma arvore no centro do caminho e esperar para ir à próxima.

Lembro-me que corri muito para não ser vista, apesar de estar noite, minha pele branca seria muito fácil de ser vista, tinha que tomar cuidado.

- Olha a puta pelada.

Os desgraçados chamaram a atenção do grupo.

Corri, vendo os rostos que me encaravam.

Ouvi o movimento deles indo à direção onde estava, com cuidado, verifiquei que o grupo veio ainda fumando, em passos rápidos. Era o local mais seguro longe dos seguranças, por isso não tinha mais gente no local além deles.

Meu tempo estava esgotando. Precisava achar a roupa.

Comecei a ouvir:

- Queeee!

- Olha a puta.

- É uma vaquinha japonesa.

Eles já estavam do outro lado do lugar. Então consegui entrar no outro local.

Eu não encontrava minha roupa.

Comecei a ouvir passos.

Lá estavam os 5 rapazes com seus cigarros.

Eles me olhavam enquanto eu tentava me cobrir.

Depois chegaram Caio, Clóvis e os outros dois rapazes.

Caio disse:

- Pessoal, essa é a Miku. Quem quer comer?

- Não, eu não vou dar.

- Vai sim. Pessoal, me ajude.

Então fui segurada por eles, e arrastada para fora.

Eles estavam me levando na direção do evento, perto de uma das portas que daria na região mais cheia.

- Então puta, o que vai ser?

- Farei o que mandarem.

- Vamos, tenho um lugar para nós.

- O que, como assim vamos.

O grupo separou. Fiquei sendo mantida por 4 dos rapazes que ficaram passando a mão em mim.

Tive que chupar aqueles paus enquanto aguardava novas ordens.

Então um dos que voltaram disse:

- Vamos.

Eles estavam me levando para a saída na Rua São Quirino. O portão tinha sido arrombado por eles. Na frete da entrada estavam dois veículos. Era uma Range Rover e uma Pajero preta.

Tive que sair nua, sendo vistas por uns 2 gatos pingados que passavam do outro lado da rua.

Entrei na Range, como o vidro era escuro, para eles era mais seguro.

Fiquei no banco de trás entre dois dos rapazes que apareceram depois.

- Já foi sequestrada antes vaca?

Estava assustada, não sabia o que aconteceria.

Sei que estávamos indo na direção do Parque Novo Mundo.

Eu estava suplicando por minhas roupas, para ser solta. Foi quando estávamos passando por baixo do viaduto da Dutra, que fui jogada nua na calçada.

- Então puta, vai sair nua sozinha, ou passar uma noite conosco?

- Me deixa entrar.

- Ajoelha e perde perdão.

Que humilhante. Lá estava eu nuazinha, de joelhos pedindo perdão para entrar.

- Então entra.

Quando eu ia entrar o carro acelerava um pouco. Eles riam.

Eu não conseguia entrar e sabia que fora do viaduto, seria facilmente vista.

Quando estava quase terminando o viaduto, finalmente o carro parou com as portas fechadas. Eles queriam que os dois moradores de rua me vissem nua.

Eles riam e falavam da minha bundinha branca, os dois estavam fazendo uma fogueira para preparar a janta.

Quando comecei a chorar, me foi aberta a porta.

Fui o resto da viagem bem comportada.

Deixa as mãos passarem no meu corpo. Chupava quem pedia, beijava e era bulinada. Fazia tudo.

Quando pude parar de chupar um pau e olhar a janela, vi que estávamos na Rua Barão Rio Branco passamos ao lado de um campo de futebol.

Entramos em uma rua, onde no final dele tinham três casas.

Eles abriram o portal da casa branca.

Entramos no local, onde me mandaram imediatamente tomar banho e me pentear. Eles queriam curti muito a noite comigo. Parece que a casa era de um deles, nem todos eram de posse.

Lavei-me toda. Tirei toda sujeira e porra seca do corpo.

Um dos rapazes me deixou enxugar, mas logo levou a toalha. Nenhum momento eu deveria me vestir.

Arrumei meus cabelos, fui com eles penteados e soltos.

Na sala estavam os 9 me olhando.

Então o rapaz que deveria ser dono do lugar disse:

- Vai para a cozinha e prepara alguma coisa, vamos assistir o jogo, depois comemos você japa puta.

Tive que ir à cozinha e preparar lanches e servir as cervejas, o tempo todo nua.

Quando terminou o primeiro tempo, o rapaz pegou uma pilha de roupa e mandou eu passar na sala.

Que cena era aquela, eu nua na frente dos nove, passando roupa enquanto eles assistiam futebol. Estava começando a deixar de ficar com medo e me sentir ofendida.

Antes de o jogo terminar, fui usada como apoio de os pés do Clóvis e de outro rapaz.

Quando finalmente acabou. Foi-me dada atenção.

Um deles dando risada, falou:

- Vai dançar a musica da maior puta que conheço japa.

Então começou.

Piripiripiripipiripi,Piripiripiripipiripi,Piripiripiripipiripi,pi!aii!

Piripiripiripipiripi, Piripiripiripipiripi,

Oh, mon amour!

Estava dançando a musica da velha da Gretchen.

Pegaram até um vídeo da internet para eu imitar.

Eu me sentia a puta dos anos 80.

Rebolava e abaixava, rebolava e abaixava dando voltinhas como um pião.

Foi quando todos vieram em minha direção.

Pela primeira vez, fui obrigada a chupar dois paus de uma vez.

Sentia dificuldade, mas não podia reclamar.

Senti dos dedos abrindo minha bucetinha e forçando a entrada do pau.

Não sei se era quem me comia, ou eu chupava que enfiou dois dedos no meu cú, fazendo eu quase morder os membros em minha boca.

Sei que depois de uns dois minutos, eu estava sendo novamente comida na bucetinha e cuzinho. Revezava a chupar os paus e bater punheta para outros.

Depois que alguns gozaram, os que haviam bebido mais tiveram um ideia. Vamos comer ela lá fora. - Mas antes, vamos dar um presente para a japa.

Eu olhei o cigarro e perguntei:

- Maconha?

-Yeee.

- Não quero.

- Quer ser largada nua lá fora.

Fui obrigada a fumar também, não podia arriscar, sabia que iriam cumprir. Quando comecei a sentir os efeitos, comecei a esquecer de que estava nua. Eu ria e agia como se estivesse em qualquer lugar.

Continuei dando meu show, dançando todas as danças depravadas da época, a menos ofensiva era na boquinha da garrafa.

Depois de alguns minutos, quatro deles decidiram que seria legal me comer no terreno atrás da casa, encostado na casa do vizinho.

Quando saímos, vi que o local não tinha muitas casas, e as poucas estavam em obra. Levaram-me para uma a cerca de 30 metros. Eu estava tão louca, que não fui forçada a nada, andava naturalmente nua.

Fui andando com os quatro no meio da rua.

Chegando ao local, me sentei com as costas voltadas para a parede e comecei a bater uma siririca.

- Olha a japa, muito puta.

A maconha mostrava como eu era realmente, uma puta.

Um momento que não aguentava mais, virei-me de bunda para eles, com o rosto encostado no chão, junto a grama. Arreganhei bem a minha bundinha com as mãos e disse:

- Quero a porra de vocês dentro do meu cuzinho.

- Oba, a puta ta louca.

O primeiro posicionou o pau e enfiou com tudo a seco. Doeu muito, mas o tesão mandava.

Eram quatro paus revezando meu cuzinho.

Um por um foi enchendo de porra quente meu rabinho.

Começaram a conversar:

- Sempre tive vontade de comer o cú de burguesinha.

- Eu de japa metida. São todas putas.

- Maconheira Japa. Hahaha.

Eles então me pegaram pelos cabelos e me levaram para andar.

Fui levada para uma casa que ficava na outra ponta da rua. Lá tinha uma luz acessa e dava para ver a Tv.

Um dos caras disse:

- Bate palmas e pede para chupar o dono na casa no portão. Depois você volta.

Eu caminhava como um zumbi. Sem pensar duas vezes. Eles entraram na casa e ficaram na janela olhando.

Bati palmas e saiu um senhor por volta de seus 40 anos da casa.

- Que ta acontecendo? Quem é você? uma noia?

- Me chamo Claudia, quero chupar seu pau no portão.

O cara sorriu e disse:

-Quer chupar sua puta? Sempre quis ser chupado por uma novinha.

Ele abriu a calça e colocou o pau entre as grades.

Era um pau que fedia do tipo que nenhuma mulher normal iria chupar. Era um pau cabeçudo e um saco muito peludo.

Ajoelhei-me e comecei a chupar. Senti um gosto estranho, mas não me impediu de continuar.

O velho segurava meus cabelos com as mãos, fazia menção de arrancá-los.

Forçava-os para direção do pau, fazendo a cabeça do pau bater no fundo minha garganta.

Era algo inimaginável. Eu nuazinha na rua, chupando um desconhecido.

Sei que pelo menos uma moto passou e deu pelo menos duas voltas antes de parar para assistir.

Com a maconha não existia vergonha, apenas uma puta de olhos puxados e cabelos verdes.

Quando começou as contrações do pau, o homem puxou minha cabeça ao encontro do portão, assim fazendo os jatos entrarem diretamente em minha garganta.

Ele fazia o barulho de um bicho e dizia:

- Eita puta boa, que chupeta, nunca gozei assim.

O cara me largou e entrou de volta para casa.

Quando me virei lá estava o motoqueiro.

Ele veio ao meu encontro e disse:

- Oi putinha, quer passear um pouco?

Eu sorri e falei que sim.

Era algo doido, eu estava na garupa da moto de um desconhecido.

Todas as minhas roupas estavam com o grupo daquela rua, o que eu faria depois?

Lá estava eu na estrada, sem ligar para nada, poucos caros vinham do sentido contrário e viam a cena. Eu ainda com efeito da maconha estava toda facinha e sem vergonha.

Como era uma estrada de terra, levava alguns minutos para avistar quaisquer casas.

Andamos muito até chegar a um rancho.

Tinha um lago e algumas casas.

Não havia continuação da estrada, apenas o caminho de onde viemos.

Ele me levou para a casa perto do lago.

- Qual seu nome?

- Claudia.

- Claudia, vamos brincar aqui. Espera-me voltar.

Fiquei esperando uns 15 minutos, então fiquei andando do lado de fora ao redor da casa. Foi quando apareceu o motoqueiro com outros dois homens.

Um deles era um moreno alto, em torno de 30 anos, o outro era negro, por volta dos 40.

Eles pararam ao meu redor com as mãos na cintura. Olhavam-me de cima para baixo. Um disse:

- Coisa doida, cabelo verde? Não é uma dessas coisas que vivem na floresta? Tipo de kurupira?

- Não é kurupira não, disse o motoqueiro, é apenas uma puta japinha.

Eles chegaram perto de mim e ergui meus braços, para que ele pudessem me tocar.

Era tão gostoso sentira aquelas 6 mãos no meu corpo. Uma hora o negro me puxou junto a ele. Ele segurava minha cintura e deu um sorriso bem banguela, mas não me fiz de rogada e comecei a beijar aquela boca.

Senti as mãos do motoqueiro nos meus seios, enquanto o moreno passava os dedos dentro da minha bucetinha.

Depois de uns 5 minutos eu estava de quatro, sendo comida pelo motoqueiro.

Minha boca revezava na chupada dos outros dois.

Eles estavam curtindo me comer na luz da lua, pois minha pele clara e o brilho dos cabelos deixava a cena muito bonita e exótica.

Os morenos depois de algum tempo de chupeta falaram para o motoqueiro sair.

Então sentei no colo do moreno, encaixando minha bucetinha. O negro foi direto no meu cuzinho. Foi a primeira hora que quase acordei, pois o pau dele era o maior que estava me comendo no dia.

Eles me socavam com força, era uma energia que nem mesmo os caras do Anime Friends tinham.

O Motoqueiro fodia minha boca com muita vontade. Algumas vezes segurava o meu nariz me fazendo tossir.

Foi muito gostoso. O primeiro a gozar foi o negro. Ele encheu-me de porra na bunda. Em seguida foi o moreno. Encharcou minha bucetinha de porra (ainda bem que use anticoncepcional) e por ultimo foi o motoqueiro. Esse sujou todo meu rosto de porra.

Fiquei no chão enquanto os três me olhavam e decidiam o que fazer.

Sei que depois de um tempo, apareceu o negro com um caminhão e o moreno mandou me embarca nele.

Fui largada uma hora depois no meio da estrada.

Quando acordei fui informada por um policial que me acharam na Rod. Paulo Virginio.

Eu estava a quase 180 Km do local do evento.

Eles tinham me emprestado um uniforme, pois tinham me encontrado totalmente nua.

Foi muito difícil convencer a tirar do boletim o “totalmente nua”, pois para eles foi o caso de estupro.

Lembro-me que foi meu tio que me buscou, e deu uma grana para encobrir o caso aos gardas. Ele veio, pois minha família estava viajando.

Minha família só não ficou sabendo do caso por causa da “Honra”. O oriental tem muito disso, especialmente se são descendentes de samurais.

- Você não vai contar nada Claudia, nunca ocorreu isso, entendeu? Não podemos passar vergonha e não vamos atrás de ninguém.

Foi bronca atrás de bronca, o que eu sentia não importava. O que não podia acontecer era de alguém saber que fui achada nua, a filha de um empresário, era inconcebível .

Cheguei na minha casa com a maior dor de cabeça, e com o rabo ardendo, mas de alguma forma, me lembrava de tudo como um sonho. O sonho de uma puta de cosplay.

Meu tio não imaginava a puta que me tornaria, mesmo com as broncas deles.

Apesar da vergonha, ainda me toquei mais uma vez antes de dormir, me lamentando ter perdido o ultimo dia de evento. Quem teria me comido se eu tivesse ido?

Comentários

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.
11/04/2018 17:41:37
essa foi uma historia muito boa apesar de surreal,quero uma prova de que uma puta como voce existe de verda,manda um oi no meu email
11/04/2018 17:39:50
gostei dessa,pois foi bem cheia de detalhes,mas muito surreal essa historia,algo que vou acreditar com fotos
S0n
07/10/2017 03:10:49
EXCELENTE, como sempre! Feliz de ver que ainda esta escrevendo. Você é a melhor! 10 é pouco.
04/10/2017 00:55:44
Muito bem escrito!!!!
02/10/2017 20:04:41
Sensacional! Bem escrito, com detalhes deliciosos! Raro ver algo tão bom nesse site. Já imagino você de colegial na minha cama, Mikuzinha ;)

Listas em que este conto está presente

Chantagem-Melhores
Melhores contos sobre Chantagem Hetero/Gay
Ler depois
Contos para ler depois com mais tempo.

Online porn video at mobile phone


contos eróticos estava dormindo com meu marido e encerro minha buceta de porraPizque o cu ai va xvideosxvidio nocinhas geme gostozo dando o cupornomulheres que urináoContos pornos-fudi a mendigaxvideo caiu na net, na maradinhoscontos eroticos o novato da escola 8negra do.corpo violao e uma bunda gigante de fio dental socada na buceta gostosaGozadas nas nvnhasTodas fotos.de.cabacinhos.das.novinhas.gostosa .i.kuzinhos.gostosowww.guarda costa da granfina pornopoliciau sarado de sunga esitado numundobicha policial me revistando na estradacontos sexo gay faculdade roludoler contos eroticos de incesto pai carente filha safada short curtocontos casada pedifilaela vingi q ta dormindo .mas a pica ja/entrounovinho novinho da rola grossa calçando o amigo g****** muito dentro XVídeosmtk contos eroticos coisas do destino capitulo 1homem fudendendo a vizinha e de repente sua mulher chegarcontos eróticos menina de 18 anos transando com cachorro Calcinha Preta com lacinhos vermelhostia submisa dan a busetamlher batendo poeta para mim èmulher gostosaWww xvideo.com depiladora ñ resistiu a picaabrir vídeo de pornô de negão mongolóide metendocorno vendo estanho soca forte na sua mulhernegão comendo patroa superei tudo e fazendo ela gozarsobrinha me provocando só de pijaminha porno brasilConto minha tia gordona uma bucetona peluda e tetuda carentecontoerotico eu,namorada, minha mae e tio jorgevídeo de sexo brasileiro novinha gritando ai titio meu c****** pequeno tá doendo entre o funk do Pica devagarinhoRelato de cornos submissocontos eróticos menina de 25 anos transando com cachorro com calcinha preta com lacinhos vermelhosquero ver o filme porno o irmao cariciando a irma para foder ela pela primeira vez beijando muita elamuler m as calcinhas lancesda xoxotasContos eroticos gravida evangelicaminha esposa pediu para dar a buceta para outro homemcheirador de cuecasmae ensinando sacanadas ao filho e e a namoradacolokando o pau na boca da irmanzinhq dormindoapaixonado por dois brutamontes da faculdade 12xvideogrates pornor empregada com patraocontos tio vc e dotadao aiaiai fotos pornofui acampar com amigos e minha esposa contofilmes pornodoido dbsm com uma branquinha doida para ver o pau do negrao entrarcontos gay iniciadores de boys inocentes fotos gratisporno buseta sogra amarra jero na cama e caga na boca dele sexo caseiroxvidio minha esposa na zoofeliaespiritual com.net padrasto contos eróticosirmazinha inocente da minha namorada no pornocontos de casadas o cara atrevido me comeu na filafamilia sacana quadrinho queridinho da mamaecontos eroticos encurraladocomedo novınha a forcaxvidio mulheris gostosas trocando obiquinho de banho no banheiroxnxx sogro aliza a nora por baixo da mezamulherpornocachorroprima entra atras do sofa agarra prim meter no cuzinhopeguei a novinha magrinha porquê ela insistiuconto erótico kombi sitioquero os melhores contos eróticos de enteadas brigonas com fotoscachorro lambendo a buceta com esparadrapo abrindo o cuzinho contoschaves enfiando o pau no cu de dona florindaquero ver cachorro enganchado com essas gostosas por favorporno pai e filhinha no maio sarosofri muito naquela pica gigante contoscontos eiroticos leilapornhomem bundudo sapatariavelha descabaça a buceta na pica do cavaloporno homem pega sua mulher com seu amigo e ao inves de briga fica só olhando e se masturbando escondidoele colocou com muito carinho aquela pica enorme na minha xanaas encoxada só coroâs videosconto mamae dormia de calcinha atolada no cusexo pozicao mamaeve papi pornodoido